Devemos manter nosso salário em segredo?

agosto 10, 2020 6:00 pm

Quanto você ganha? Pense neste número. Agora pense: quanto você acha que o colega de trabalho que senta ao seu lado recebe? Você sabe? Você deveria saber?

É um pouco desconfortável até fazer essas perguntas. Mas admita: você gostaria de saber. A maioria de nós fica desconfortável com a ideia de divulgar o salário.

Nós não devemos dizer para nossos vizinhos e definitivamente não devemos dizer para os colegas de escritório. E o motivo disso é que, se todos soubessem o quanto todos recebem, seria o inferno na terra.

Haveria discussões, brigas e algumas pessoas até mesmo iriam se demitir. Mas e se esse segredo era apenas o motivo de todo o conflito? E o que acontece se você remover todo este segredo?

E se essa abertura contribuir para o senso de justiça e colaboração dentro de uma empresa? O que acontecerá se tivermos total transparência nas perdas?

Nos últimos anos, estivemos estudando líderes e empreendedores de corporações que questionaram a sabedoria convencional sobre como dirigir uma empresa.

E uma questão de pagamento sempre aparece. E as respostas continuam surpreendentes. Mas a transparência nos pagamentos, divulgar abertamente na empresa, torna o ambiente melhor tanto para o colaborador quanto para a organização.

Quando as pessoas não conseguirem comparar seu salário com o do colega, elas tendem a se sentir mal pagas ou até mesmo discriminadas. Você gostaria de trabalhar em um lugar que tolera a ideia de você sentir-se mal pago ou discriminado?

E manter salários em segredo causa exatamente isso, e é uma prática tão antiga quanto comum, apesar de que, nos Estados Unidos, a lei protege o direito de um colaborador de falar sobre seu salário.

Em um famoso exemplos de décadas atrás, a direção da revista “Vanity Fair” circulou um memorando com o título: “Proibindo discussão entre empregados sobre valores de salários”.

Esse memorando não funcionou com todos. Algumas pessoas decidiram defender a transparência e foram trabalhar no dia seguinte com seus salários escritos em cartazes pendurados no pescoço.

Imagine aparecer no trabalho com o seu salário escrito no seu peito para que todos possam ver. Mas por que uma empresa iria desencorajar falar sobre salário?

Por que algumas pessoas aceitam isso e outras são contrárias? Acontece que, além dos motivos assumidos, o sigilo salarial é uma forma de economizar muito dinheiro.

Manter os salários em segredo leva ao que os economistas chamam de “informação assimétrica”. Situação em que, durante uma negociação, um dos lados tem muito mais informação do que o outro.

E, quando contrata, promove ou discute aumentos salarial anuais, uma organização pode usar esse segredo para economizar muito dinheiro. Imagine como seria melhor negociar um aumento se você soubesse o salário de todos.

Economistas alertam que a informação assimétrica pode deixar o mercado confuso. Alguém esquece o contracheque na copiadora e, de repente, todos estão gritando uns com os outros.

Na verdade, eles inclusive alertam que a informação assimétrica pode levar a um colapso do mercado. E nós achamos que estamos quase lá. Eis os motivos:

A maioria dos colaboradores não sabem como seu salário se compara aos outros. Em uma pesquisa de 2015, com 70 mil colaboradores, dois terços dos que eram pagos dentro da média do mercado sentiam que estavam sendo mal pagos.

E, de todos esses que estavam sendo mal pagos, 60% disseram que queriam pedir demissão, independente de serem bem pagos ou estarem na média do mercado.

Se você participasse da pesquisa, o que diria? Você é mal pago? Mas pense, como você saberia se não têm permissão de falar sobre isso?

Informação assimétrica, sigilo salarial, faz com que ignoremos mais facilmente a discriminação já presente no mercado atualmente. Em um relatório de 2011 do Instituto de Pesquisa de Políticas para Mulheres, a diferença salarial entre homens e mulheres era de 23%.

Mas, no governo federal, onde os salários são fixados em níveis e todos sabem quais são os níveis, a diferença salarial por gênero cai para 11%, e isso antes de passar por fatores de controle que os economistas discutem se devem ser controlados ou não.

Se quisermos acabar com a diferença salarial por gênero, talvez devêssemos começar revelando a folha de pagamento. Se isso significa revelar o fracasso total do mercado, então a abertura é o único caminho para a justiça.

Entendemos que saberem o quanto você ganha pode ser um pouco desconfortável, mas não é menos desconfortável do que estar sempre pensando se você está sendo discriminado, ou se sua esposa, sua filha ou irmã estão sendo pagas injustamente?

A abertura continua sendo o único caminho para a justiça, e transparência salarial garante isso. É por isso que líderes empreendedores e empresariais têm experimentado compartilhar os salários há anos.

Em vários estudos, quando as pessoas sabiam o quanto recebiam e como seu salário comparava-se aos outros, elas tendiam a trabalhar mais para melhorar o seu desempenho, se comprometiam mais, e tinham menos chances de se demitir.

A transparência salarial aparece de diferentes formas, não tem uma fórmula mágica. Alguns divulgam seu salário para que todos vejam. Alguns divulgam apenas dentro da empresa.

Alguns divulgam a fórmula do cálculo do pagamento, outros divulgam níveis de pagamento e colocam todos no nível apropriado. Então não é preciso fazer cartazes para que todos os colaboradores usem pelo escritório.

E você não precisa ser o único a usar um cartaz que fez em casa. Mas podemos dar grandes passos na direção da transparência salarial. Se você tê uma autoridade de avançar na direção da transparência, é hora de avançar.

E para você que não têm a autoridade está na hora de lutar por esse direito.

Quanto você ganha? E quanto é isso em comparação com seus colegas? Você devia saber. E eles também!